Investigações em Geociências

Justificativa

O tema proposto aqui é de extrema relevância. O Estado da Bahia apresenta um patrimônio geológico dos mais interessantes e diversificados do Brasil, sendo uma região com forte vocação para recursos minerais, hídricos e energéticos. Por isto mesmo, ao longo dos anos, as disputas decorrentes da atividade mineral e do uso da água no âmbito local e regional, bem como da atividade petrolífera, da implantação dos parques eólicos, assim como da ocupação da zona costeira resultaram em demandas crescentes da Sociedade por soluções e respostas científicas para estes conflitos. Hoje, há uma capacidade nunca antes alcançada de se observar a natureza, tanto com o sensoriamento remoto por satélites como com dados in situ. São inúmeras as grandezas físicas a serem amostradas e alguns dados podem ser obtidos apenas indiretamente por diagnósticos. Além disso, os dados observados são muito limitados para prover informações sobre futuros estados do sistema climático e de seus componentes, tendo em vista seu aspecto caótico e as mudanças de origem antrópica. O estado-da-arte dos modelos do sistema climático são hoje ferramentas fundamentais para entendimento desse sistema e de sua evolução. Eles contribuem para a definição de políticas para sustentabilidade das atividades do homem na Terra. Por sua vez, as mudanças climáticas durante o Antropoceno deverão afetar as características físicas, biológicas e biogeoquímicas das zonas costeiras e oceanos, modificando sua estrutura ecológica, suas funções e os diferentes serviços prestados ao Homem. Estas mudanças têm o potencial de causar sérios impactos socioeconômicos nas escalas local (zona costeira), regional (plataforma e mares rasos) e global (oceano). A vulnerabilidade das populações costeiras a estas mudanças só pode ser adequadamente avaliada no contexto de prognósticos de mudanças no ambiente natural. Em sumário, a temática aqui proposta é ampla e interdisciplinar, sendo fundamental o diálogo entre os diferentes campos de atuação das Geociências e mesmo outras áreas do conhecimento tendo em vista a amplitude e a diversidade de abordagens. Por todos estes motivos, a busca pela internacionalização nas Geociências é fundamental para garantir e ampliar o acesso às novas tecnologias e laboratórios de referência, bem como para integrar a pesquisa realizada localmente em um contexto mais global de mudanças educacionais e tecnológicas, promovendo a adaptabilidade às novas condições e inovações.

Objetivo

Desenvolver métodos de assimilação de dados oceanográficos e aplicações no Oceano Atlântico para estudos de processos e da previsibilidade de curto-prazo do modelo HYCOM.

Descrição

A Rede de Modelagem e Observação Oceanográfica (REMO) foi criada em 2007 para promover o desenvolvimento da oceanografia operacional no Brasil. Hoje participam da REMO a UFRJ, a UFBA, o Centro de Hidrografia da Marinha do Brasil (CHM) e o CENPES/Petrobras. A oceanografia operacional envolve coleta e processamento de dados observados, previsão numérica oceânica com assimilação de dados e disseminação de dados, simulações e previsões para os diversos interessados pela informação meteo-oceanográfica, como a indústria de óleo e gás offshore, e setores de meio ambiente e segurança da navegação. Grande parte da previsibilidade dos modelo oceânnico está associada à qualidade da condição inicial, produzida pelos métodos de assimilação de dados (MADs), e à qualidade dos forçantes atmosféricos. Particularmente, na UFBA foi construído o sistema de assimilação de dados da REMO, chamado de RODAS, que funciona junto ao modelo oceânico Hybrid-Coordinate Ocean Model (HYCOM). Em dezembro de 2010, a REMO foi admitida no projeto internacional GODAE OceanView (GOV) (www.godae-oceanview.org) voltado para o desenvolvimento da oceanografia operacional em todo o mundo. Esse projeto abriu diversas oportunidades de colaboração internacional, especialmente nos MADs. Assim, os objetivos específicos da presente ação estão voltados para a melhoria do sistema HYCOM+RODAS através da: (i) implantação de MADs mais sofisticados e eficientes; (ii)assimilação de um conjunto maior de dados observados; (iii) emprego de saídas de modelos atmosféricos mais precisos. Resultados do HYCOM+RODAS serão usados para estudos de previsibilidade e estudos de processos oceânicos e de interação oceano-atmosfera com ênfase no Oceano Atlântico. Esses resultados e a infraestrutura de modelagem poderão ser empregados em uma gama de aplicações em estudos do clima presente, mudanças climáticas e meio ambiente.

Países Envolvidos

  • África do Sul
  • Angola
  • Austrália
  • Canadá
  • China
  • Colômbia
  • Cuba
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • Finlândia
  • França
  • Irlanda
  • Itália
  • Japão
  • Moçambique
  • Noruega
  • Portugal
  • Reino Unido
  • Suécia
  • Suíça

Programas Participantes

 

 

Português, Brasil