Educação, Sujeitos e Ambientes na Perspectiva de Inovação Transformadora

Justificativa

Justifica-se o tema Educação, sujeitos e ambientes na perspectiva de inovação transformadora por compreender o ambiente para além da ambiência física, ou seja, o ambiente social, cultural, corporal, virtual, tecnológico, educacional. E por abarcar Programas de Pós-graduação muito bem conceituados pela CAPES. Considerações sobre sujeitos históricos e sociais capazes de lidar com os desafios contemporâneos que caminham pela via da equidade econômica, da afirmação e difusão dos direitos humanos e da sustentabilidade sócio ambiental. Formação dos pesquisadores envolvidos com a educação de qualidade, com a transformação econômica e social e com capacidade de elaborar e implementar projetos de ensino, pesquisa e extensão inovadores. Assim, trata-se de desenvolver pesquisas e ações de cooperação internacional presididas pelas relações entre sujeitos e culturas, numa perspectiva transformadora. Pesquisas e interações que olhem para a educação pelo viés da diversidade e da inovação. Quanto à cooperação internacional, justifica-se por objetivar o intercâmbio científico e acadêmico entre Instituições de Ensino Superior – IES que promovem a formação qualificada de seus profissionais e estudantes considerando atividades de pesquisa, ensino e extensão para a produção de conhecimento no campo da educação, ciência e tecnologia. Compreendemos a educação como uma das atividades mais relevantes e necessárias ao desenvolvimento cientifico-social, imprescindível para o desenvolvimento científico e tecnológico e, neste sentido, o tema se justifica por propor pesquisas para orientar a pesquisa em educação, sujeitos e ambientes na perspectiva de inovação transformadora, tanto no que se refere à consideração de recursos culturais e naturais, à proteção dos patrimônios culturais e naturais e ao desenvolvimento dos meios de comunicação para uma sociedade mais justa e igualitária.

Objetivo

Educação para a emancipação humana, inovação tecnológica, comunicação e transformação social – os desafios da pesquisa em ciências humanas e sociais no tempo presente

Descrição

O Programa de Pós-graduação em Educação objetiva, em uma perspectiva multidisciplinar e intercultural, estabelecer parcerias privilegiadas na pesquisa. Pesquisas em educação em uma relação transversal com disciplinas e áreas de conhecimento diferenciados (sociologia, história, administração, antropologia, ciências políticas, matemática, educação física) com o foco nos fenômenos e processos educacionais na sociedade contemporânea. As práticas educativas e corporais, assim como as organizações educacionais abordados a partir de espaços - do local ao global -, diversas conjunturas e contextos culturais.Missões em instituições estrangeiras comprometidas com questões educacionais no Brasil e no mundo, de caráter inovador e transformador.Fortalecer a mobilidade bilateral docente e discente,de ida e vinda. Promover sinergias internacionais de treinamento e pesquisa. Fomentar a cooperação com parceiros estratégicos e oportunidades científicas. Pesquisas em Educação na região Nordeste, no Brasil e no mundo, em um contexto intercultural e multidisciplinar, particularmente, no campo da educação escolar e fora da escola. Apoio a programas de pesquisa interdisciplinar para operações específicas envolvendo diversas disciplinas e de projetos multidisciplinares, disseminação e valorização, particularmente por meio de novas tecnologias de informação e comunicação. Desafios do pluralismo e diversidade na educação. Diálogos possíveis entre a educação, representações e imaginações. Exige-se um confronto da ‘monocultura da ciência moderna’ com conhecimentos pouco explorados e saberes negados pela sociedade em geral e pela escola, em particular. Significa considerar conhecimentos de grupos sociais e culturais invisibilizados e subalternizados, uma ecologia de saberes. Esta proposta nos impele a reconhecer a diversidade de saberes produzidos por grupos sociais, comunidades e problematizar o conhecimento escolar e a educação de forma geral. Esta perspectiva exige romper com processos educativos baseados na modernidade ocidental, na padronização, homogeneização, na monocultura, na universalidade para a construção de práticas educativas interculturais, de subjetividades e corpos rebeldes, enfim, uma ecologia de saberes que podem oportunizar a emancipação humana, equidade econômica e transformação social. Promover seminários, jornadas de estudo, conferências, pesquisa, apoio e supervisão a missões de cooperação internacional.

Países Envolvidos

  • África do Sul
  • Alemanha
  • Angola
  • Argentina
  • Austrália
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • França
  • Itália
  • Macau
  • México
  • Moçambique
  • Nova Zelândia
  • Portugal
  • Reino Unido
  • Suíça
  • Timor-Leste

Programas Participantes

 
Português, Brasil